O velho sábio da estação de trem de, Edson H. Baeta

Pela resenhista, Josi Siqueira

Na ficção temos encontrado frequentemente a história de pessoas que precisam de ensinamentos e direções sobre a vida para se transformarem em pessoas melhores, o que é comumente um reflexo da realidade.

Continuar lendo “O velho sábio da estação de trem de, Edson H. Baeta”

Entrevista com o escritor, Lúcio Pessôa

Depois de ler e resenhar o livro do Lúcio Pessôa: Quase tudo em cinco envelopes, foi a vez de entrevistá-lo e saber um pouco mais sobre o processo de criação do autor e conhecer melhor os bastidores do seu livro e de suas outras diversas obras.

Lúcio Pessôa, foi um baita achado nesse 2019 pra mim. Conhecer melhor o autor e ter me deparado com seu romance, foi uma experiência muito gratificante. Confesso que aprendi muito com a leitura de, Quase tudo em cinco envelopes e indico mil vezes esse livro pra todo mundo que conheço.

Continuar lendo “Entrevista com o escritor, Lúcio Pessôa”

Oficina Escreva Seu Romance

Josi Siqueira resenhista aqui do blog, participou da Oficina Escreva Seu Romance promovida pelo Sesc, ministrada por Raphael Montes, na edição que ocorreu em Fortaleza/CE, nos dias 24 a 28 de junho. E agora, ela nos conta como foi passar por esse processo, um elemento fundamental para quem quer embarcar na carreira de escritor.

Continuar lendo “Oficina Escreva Seu Romance”

Manifesto Poético

Se tiram a educação e a cultura nosso povo se cala. Poucos são os que gritam, que se rebelam contra o sistema. E se continuarmos assim, esses gritos serão emudecidos e toda a arte será crime. Eles querem nos silenciar, querem esconder a história, querem jogar toda a sujeira para debaixo do tapete, querem nos castigar, nos prender, nos matar. E nós, o que nós queremos? 

Continuar lendo “Manifesto Poético”

O LONGO PERCURSO DAQUI ATÉ ESTOCOLMO

Por, Michele Fernandes

Na Academia Real de Ciências da Suécia, ouve o seu nome ser chamado. Percorre o longo corredor sobre um tapete vermelho e sob o calor esfuziante dos aplausos, aquecendo os cinco graus negativos lá de fora. Após ser laureado, um microfone se instala à sua frente. É este o momento de fazer o seu discurso. Tímido, havia preparado uma folha de caderno com o resumo da sua contribuição científica e algumas frases de agradecimento. Enquanto olhava pra sua família orgulhosa, todos com os olhos gotejantes de emoção, começou a proferir um breve, porém emocionado discurso em sueco.

Continuar lendo “O LONGO PERCURSO DAQUI ATÉ ESTOCOLMO”

Entrevista com o escritor e musicista, Paulo Sá

Recentemente, publiquei por aqui a resenha do livro de poemas, Cordões de Celofane do escritor e musicista, Paulo Sá. Se você ainda não viu a resenha, você pode acompanhar, clicando bem aqui.

Hoje, trago uma entrevista feita com o Paulo a respeito do seu processo literário e um pouco de sua vida fora da escrita, uma vez que ele também é: ficcionista, redator, trabalhos editoriais, professor de redação, e na música, como guitarrista, compositor, letrista e pesquisador musical.

Paulo Sá, ainda nos trás uma perspectiva do caminho que trilhou até aqui e dá algumas dicas para quem deseja se tornar um escritor, além de nos contar sobre os resultados obtidos após o lançamento do seu livro. Acompanhem:

Continuar lendo “Entrevista com o escritor e musicista, Paulo Sá”

Concursos Literários

Para o escritor, uma das tarefas do percurso da escrita é desenvolver estratégias para melhorar sua produção e principalmente, viabilizar meios de estrear ou estourar com a sua obra. Pensando nisso, os famosos Concursos Literários são um dos meios que alguns escritores buscam para trazer desafios a si mesmos e publicar as suas obras, que as vezes, ficam guardadas por muito tempo na gaveta.

Continuar lendo “Concursos Literários”

Esquecidas aventuras

Por, Josi Siqueira

A vida tem passado rápido mas eu não me arrependo, não. Eu quero mais é aproveitar cada tiquinho que tiver direito. Ô, senhora, tu não vai comprar não? Vai só olhar, é? Ah, se eu cobrasse para as pessoas olharem minhas artes. Não é fácil fazer isso aqui, você sabe. Mas como eu ia dizendo, eu quero mesmo é desbundar. Quero fazer essas coisas doidas que a garotada faz. Dançar funk, quero dançar funk. Rebolar com a raba no chão, não é como dizem? Que foi, menina? Tá me achando doida, é? Aqui não tem meias palavras, a verdade pode ser feia mas é melhor que as mentiras cheias de floreios.

Continuar lendo “Esquecidas aventuras”