Bagagem

Publicado por Maria Vitória em

Carrego a pele comigo

Como quem leva um casaco

Minha pele é precaução

Nunca a esqueço

Nunca me deixam esquecê-la

Minha pele não me deixa só

Pois somos muitas peles assim

Fortes, vivas, escuras

Não saio de casa sem minha pele

Ela é repelente, é protetor

É sinal verde e vermelho

É permissão sem querer

É parada sem saber

Apesar da morte

Minha pele resiste

Escura, viva, forte

Josi indica: Gabyanna Negra e Gorda, de Gabriela Rocha


Maria Vitória

Expondo a realidade de uma forma cinza e poética, para não me tornar mais um padrão normativo!

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *