Girassol

Por, Thainá Carvalho

Dizem que girassol absorve a radiação. Será se é verdade?

Pensava e pensava. Já nem sabia há quanto tempo estava ali. O sol esfriou. A brisa virou um vento frio que deslizava entre os botões da sua camisa. Resolveu descer as mangas arregaçadas. Deveria ter trazido um casaco, mas não imaginou que passaria tanto tempo ali. Sentada, pensando. Já nem sabia mais o quê, quais interrogações fervilhavam há alguns minutos. Era tudo tão fugaz. Ele a fazia se sentir assim. Fugaz. Mas não era sempre. Às vezes só. No mais, ele a fazia rir. E era tão bom, rir das besteiras que ele falava, das maluquices que ele inventava. Ele gostava de fazê-la sorrir. O riso também era fugaz. Ah, que importava? Coisas da sua cabeça, que criava quando não tinha o que fazer. Como daquela vez em que tinha tempo livre e resolveu arrumar a gaveta de roupas dele. Estava uma bagunça. Ele não gostou, brigou, gritou com ela. Foi bem merecido. Quem mandou inventar? Não tinha nada que estar se metendo onde não devia. Agora se metia ali, naquele lugar, entre as flores. Mas elas não reclamavam. Não davam medo.

Continuar lendo “Girassol”

Sergio Moro e Globo, os heróis do Brasil.

Por, Pedro Parker

Nas últimas semanas, o cenário político brasileiro voltou a estar inflamado, mensagens entre o juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, foram reveladas a público. As conversas que foram feitas no aplicativo de mensagens Telegram, deixam claro que a relação que o juiz e o procurador mantinham era próxima, colocando por sua vez em xeque a maneira de como foram feitas as investigações no caso do ex presidente Lula. As mensagens divulgadas pelo portal The Intercept, pelo premiado jornalista Gleen Greenwald, dono de um prêmio Pulitzer, que seria o óscar do jornalismo, trazem Moro dando dicas de como Dallangol deveria se portar ou até mesmo, quais os caminhos percorrer para conseguir vencer Lula na justiça, mostrando-se assim, um quase assassinato ao código de ética dos juristas. Moro errou ao tramar e não mostrar ser um juiz imparcial no caso, a OAB já se pronunciou recomendando que o mesmo peça exoneração do cargo.

Continuar lendo “Sergio Moro e Globo, os heróis do Brasil.”

Ela queria voar

Por, Monique Malcher

Ela queria voar, corria no campo imenso. Minhas pernas em pensamento se esticavam, corriam na velocidade igual, acompanhar com os olhos sua corrida era o ponto alto do meu dia. Disparava pela terra laranja do campo de futebol maltratado do colégio de padre que estudávamos. Alana era filha da professora de informática e isso causava um certo constrangimento pra ela, coisa de adolescente que não quer que os pais vejam como eles se comportam em sala de aula. É bom ter uma vida separada do que se espera de você.

Continuar lendo “Ela queria voar”

3 poemas da artista, Adriana Drih Paris

BICHO DE GOIABA

‘Aqui anda bem apertado e o sumo está amargando, sabia?

A massa que sempre me atraiu, anda me traindo e parece que me expulsando dos pequenos espaços que sempre ocupei aqui dentro.

Faz tanto tempo que existo, penso que todo mundo me conhece ou, ao menos, já ouviu falar de mim.

Continuar lendo “3 poemas da artista, Adriana Drih Paris”

6 poemas de, Bárbara Seidel

Agora de hoje em diante serei abrigo constante do meu próprio ser me espero em pódio de chegada e no girar da fechadura me abrigo me visto em minha pele me caibo me escondo e me acho. Sou casa destinatário e remetente ausente e presente desprovido de disfarces sou cada pedra no caminho às vezes em desalinho testando novos encaixes. Vejo um caminho de formigas … Continuar lendo 6 poemas de, Bárbara Seidel

4 poemas de, Mônica Barbosa

Poros, substância e chamado

Sou toda feita de poros, abertos, entreabertos…

Que sente os cheiros que me circundam em todas as dimensões do meu ser.

O valor e sentimento do olhar que me afaga, a vibração da dança, o suor que vem de mim e o do outro.

Sou toda expansão… transbordamento… poros… povos… chão… pele… bicho… mata ardente, efervescente, intenso de tons, profundezas e peixes.

Continuar lendo “4 poemas de, Mônica Barbosa”