@a_estranhamente

Eu, mulher, agênera!

Atento-me ao rubor dos dias insanos, bebericando cerva gelada, com os bicos despontados, ouriçados e enrijecidos.  Vejo lá longe, algo despontar entre esquinas e aqui dentro do que eu acho que sou, borbulha alguns mares de indecisões e descobertas abrupta. Tudo, absolutamente tudo ultimamente me faz indagar sobre o meu papel social e a que caixa pertenço eu, perante a esta vastidão de percalços soturnos de uma vida liberta e ao mesmo tempo enclausurada. Que papéis devo interpretar, se como detentora de carne humana, há sempre coisas por demais a me devorar em colheres de sopa?

Continuar lendo “Eu, mulher, agênera!”
@a_estranhamente

Era eu, com o microfone nas mãos?

Quando eu falo de mim a voz embarga.
Um nó de ar, pesa na garganta.

Pingos se acumulam na ponta de um precipício,
Enquanto em frações de segundos,
O corpo tende a mergulhar na imensidão de si.

Continuar lendo “Era eu, com o microfone nas mãos?”

BELA, DESPUDORADA E DA LUTA

Ela sai de casa carregando seus sonhos. Ao seu redor o mundo passa, mas o ritmo dos seus passos escancara uma mulher que transborda força. Olha em volta com olhos de criança, que descobrem os sentidos da vida a cada dia. Seus passos são firmes, de mulher verdadeira, que respeita suas vontades, que escuta seus sentimentos e entende sua força.

Continuar lendo “BELA, DESPUDORADA E DA LUTA”

É que foi o outro quem me percebeu primeiro

Eu tinha entre treze e quatorze anos. Estava no dentista, pela primeira vez sozinha. O posto estava cheio, como de costume. Depois da consulta iria para casa almoçar e ir pra escola. Só haviam mulheres na sala. Uma delas, com uns quarenta anos perguntou minha idade, respondi. Ela falou do meu corpo, que era “corpo de mulher” (e o que é um corpo de mulher?) … Continuar lendo É que foi o outro quem me percebeu primeiro

Incrivelmente mulher

“Ó abre alas”, deixa a Chiquinha passar!”. Ela que trocou o marido pela arte e quis o mundo ganhar.Mesmo grávida, das batalhas não fugiu. Anita é o seu nome, heroína do Brasil.Apesar do nome frágil, Rosa não esmoreceu. Manteve-se firme em seu lugar e diante a pressão não cedeu.Considerada a frente do seu tempo, sua autenticidade ela exaltou. Aplausos a Frida Kahlo, aquela que nunca … Continuar lendo Incrivelmente mulher