O centro de São Paulo. A fotografia urbana e a relação com a literatura

O centro de São Paulo. A fotografia urbana e a relação com a literatura

Quando eu ando pelas ruas do centro da cidade é perceptível a quantidade de corpos acumulados mesclado com a quantidade de vidas invisíveis e fragmentadas.

De uns anos pra cá o número de pessoas em situação de rua cresceu drasticamente. As probabilidades que levam uma pessoa a se encontrar em situação com essas são as mais diversas possíveis e engana-se quem pensa que o uso de álcool e outras drogas é o fator primordial que faz esse número crescer. Continuar lendo “O centro de São Paulo. A fotografia urbana e a relação com a literatura”

Desafio Criativo | 5 dicas que ajudam a aumentar a tensão em uma história

Eai, escritores!

Escrever é difícil para um cacete, ainda mais quando estamos no meio de uma obra nova e a maldita criatividade vai embora nos deixando desamparados no meio de uma trama. Quem nunca passou por essa sacanagem?

Uma vez que a minha pessoa é leitora assídua de bulas de remédio e placas de trânsito desde que me entendo por gente, é claro que sei que: Todo escritor que se preze tem que no mínimo comer as palavras no café da manhã com cerveja e vodka sem gelo todo santo dia. Então, darei para vocês umas 5 dicas que sempre me salvam na hora que  estou escrevendo uma nova história.  Continuar lendo “Desafio Criativo | 5 dicas que ajudam a aumentar a tensão em uma história”

Os livros que abandonei

O corpo se move em direção as fileiras menores e os olhos tateiam os títulos até que as retinas cocem. A língua tem que chamuscar alguma coisa, ou então, tem de salivar como um cão ao avistar uma tigela de sobras do almoço. Estaticamente, por milésimos de frações uma única e simples frase terá de ser convincente o suficiente para que eu não vá embora. Abandonos prévios antes que as páginas se acabem, antes que os personagens virem mártires, antes que meu esôfago se embrulhe em matéria pasteurizada e eu tenha de vomitar outra obra jamais iniciada.  Continuar lendo “Os livros que abandonei”

Maratone-se #2

Pés podres e coluna estragada ao final do dia. Hoje foi dia de ensaio fotográfico no centro de São Paulo e o modelo da vez foi um ex colega de turma e futuro colega de profissão, Guilherme Gatti. Acertamos no relógio as onze horas da manhã pontualmente no inicio da praça Franklin Roosevelt. Fazia um pouco de sol, apenas o suficiente para estourar a iluminação das fotos e me deixar com o nariz e a testa suando em bicas.

Eu gosto de ficar atrás das lentes, tanto de modo colorido quanto de modo preto e branco, mas confesso, tenho uma enorme inclinação por fotos preto e branco, principalmente aquelas que destoam lindamente para o cinza…  Continuar lendo “Maratone-se #2”

Desafio Literário | O que a vida fez de mim?

Por aqui temos o sol carcomendo minha pele ressecada. Temos hoje, cerveja barata custando 1,29 apenas. Temos também um arsenal parcialmente grande de livros para cheiras e lamber as orelhas enquanto os pássaros cantam um tanto quanto roucos pousados em galhos cerrados pela ferramenta do homem. Claro, já quase ia esquecendo, hoje é dia de feira por aqui também, mas estou numa dúvida danada entre um pastel tamanho especial ou mais meia dúzia de cerveja barata antes do horário do almoço.

Enfim, dias como este me lembram poemas escritos em últimas circunstancias sobre coisas que precisam ser vomitadas antes que o sol exploda em forma de câncer de pele. E por falar em poema, estou aqui a ler Paulo Ferrari e pensando… Se conseguires faz o que quiseres de mim, ó diabólica vida…

Continuar lendo “Desafio Literário | O que a vida fez de mim?”

Desafio Literário | O que a vida fez de mim?

Crônicas são mares que habitam de forma passional no cotidiano das pessoas que escrevem. Eu geralmente aprendo coisas demais ao me deparar com o relógio quase marcando meia noite enquanto eu ainda estou sentada nos bancos escorregadios do metrô da linha amarela, observando a humanidade e seus glóbulos de besouro correndo rumo a alguma coisa sem asas o suficiente para alçar voos maiores.

Por falar em crônica, hoje a Emma me fez lembrar do porque eu ainda escrevo, me fez lembrar das cores cinzas que meus olhos avistam a cidade mesmo num dia repleto de céu azul e sol amarelado. Ao me deparar com “evolução“, pude resgatar toda minha literatura mesmo ela estando cansada de escrever sobre as tintas de um muro invisível. Continuar lendo “Desafio Literário | O que a vida fez de mim?”

Blogagem Coletiva | Meu personagem favorito

Há algo de imortal e puramente difícil na amplitude de sentimentos que Hank ou melhor, Henry Chinaski desperta na escuridão do meu ser. Meu personagem favorito me resgatou da bolha invisível da qual eu me tornará naquela altura da vida, totalmente imparcial com relação a existência terrestre. Hank e seu modo de costurar as palavras de uma maneira que sempre acabava por me atingir bem na boca do estômago.  Continuar lendo “Blogagem Coletiva | Meu personagem favorito”

PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | O QUE TE INSPIRA?

Livros é uma das coisas que me inspiram. Livros é aquele tipo de coisa que me deixa com tesão. Livros são viagens não programadas. Livros são relacionamentos que nunca acabam. Livros são mulheres que eu faço questão de tatear. Livros são a essência da vida costurados de um jeito que nem a morte é capaz de selar.

Além dos livros, alguns outros fragmentos me inspiram. Fragmentos estes que gosto de observar, fotografar, beber, sentir… E tudo o que compõe as essências das inspirações são bases sólidas para minhas linhas mortíferas e ao mesmo tempo extremamente sensíveis.  Continuar lendo “PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | O QUE TE INSPIRA?”