2 por cento. 8 minutos de sobra

O céu anuncia chuva forte. Árvores tentam decepar suas próprias raízes e fugir para longe. Pessoas aos montes brotam correndo desesperadas receosas por uma tempestade. Avisto um rosto conhecido e abraço o mais apertado que eu posso o corpo de uma mulher. Gotas pingam em minha camiseta polo cor de vinho usada pela primeira vez. Continuar lendo “2 por cento. 8 minutos de sobra”

Linhas. Feijoada. Fim de carnaval

Há dias que se iniciam em formato de flocos de neve e no decorrer dos ponteiros se tornam pingos de chuva e depois o céu manda uma breve tempestade, mas então quando você menos espera um único raio de sol desponta quando a noite esta prestes a dar sua graça. Continuar lendo “Linhas. Feijoada. Fim de carnaval”

Rosas vermelhas não alteram tempestades

O útero dói. Gota a gota uma enorme poça de sangue se forma e percorre o labirinto das coxas, canelas, pés… Sinto-me quente nesta sexta-feira tão fria enquanto uma garoa fina despenca do céu camuflando-se em minhas lágrimas mornas.

Debruçada em uma ponte observo a cidade, conto os passos dados por segundo na esperança de esquecer-me de mim por um breve infinito de tempo. Ao fechar os olhos, visualizo rosas vermelhas desabrochadas, dóceis, femininas… Continuar lendo “Rosas vermelhas não alteram tempestades”