@a_estranhamente

Eu, mulher, agênera!

Atento-me ao rubor dos dias insanos, bebericando cerva gelada, com os bicos despontados, ouriçados e enrijecidos.  Vejo lá longe, algo despontar entre esquinas e aqui dentro do que eu acho que sou, borbulha alguns mares de indecisões e descobertas abrupta. Tudo, absolutamente tudo ultimamente me faz indagar sobre o meu papel social e a que caixa pertenço eu, perante a esta vastidão de percalços soturnos de uma vida liberta e ao mesmo tempo enclausurada. Que papéis devo interpretar, se como detentora de carne humana, há sempre coisas por demais a me devorar em colheres de sopa?

Continuar lendo “Eu, mulher, agênera!”

BELA, DESPUDORADA E DA LUTA

Ela sai de casa carregando seus sonhos. Ao seu redor o mundo passa, mas o ritmo dos seus passos escancara uma mulher que transborda força. Olha em volta com olhos de criança, que descobrem os sentidos da vida a cada dia. Seus passos são firmes, de mulher verdadeira, que respeita suas vontades, que escuta seus sentimentos e entende sua força.

Continuar lendo “BELA, DESPUDORADA E DA LUTA”

É que foi o outro quem me percebeu primeiro

Eu tinha entre treze e quatorze anos. Estava no dentista, pela primeira vez sozinha. O posto estava cheio, como de costume. Depois da consulta iria para casa almoçar e ir pra escola. Só haviam mulheres na sala. Uma delas, com uns quarenta anos perguntou minha idade, respondi. Ela falou do meu corpo, que era “corpo de mulher” (e o que é um corpo de mulher?) … Continuar lendo É que foi o outro quem me percebeu primeiro

Incrivelmente mulher

“Ó abre alas”, deixa a Chiquinha passar!”. Ela que trocou o marido pela arte e quis o mundo ganhar.Mesmo grávida, das batalhas não fugiu. Anita é o seu nome, heroína do Brasil.Apesar do nome frágil, Rosa não esmoreceu. Manteve-se firme em seu lugar e diante a pressão não cedeu.Considerada a frente do seu tempo, sua autenticidade ela exaltou. Aplausos a Frida Kahlo, aquela que nunca … Continuar lendo Incrivelmente mulher

Mulher guia

Mulher linda, porém de beleza exótica.Mulher forte, mediante aos sacrificios impostosMulher brava, quando não aguenta mais e explodeMulher rude, quando aumenta o tom com o dedo em riste.Mulher só, quando eles partem sem se despedirMulher suja, quando tem todo mundo.Mulher negra, quando sua pele fala por siMulher sã, depois de todas as apunhaladas nas costasMulher de mim mesma, mulher de todas nós.Lute com os monstros … Continuar lendo Mulher guia

Só nos resta resistir, para bem existir

Nasci coberta de rótulos que antecedem minha existência e se grudam na pele com forças brutais. Só dentes firmes de leoa ousam os destruir. E tenho presas fortes, mordida certeira e um certo ódio que não me larga, mesmo com todo o amor que mora em mim.  Por um bocado de anos usava a cabeça baixa para evitar certas investidas nojentas e o desprezo branco burguês. Esse, dilacerador do amor de antes, me açoitava para dizer nas sutilezas que meu lugar não era ali. Às vezes eu chorava, às vezes eu gritava. Quase, bem por quase, esmurrei alguns. Mas na minha mente tinha sol que me fazia lembrar dos olhos que devem mirar acima, potentes a combater. Potentes também a enxergar, que não é tarefa simples, nem tão pouco anestesiada. Tive também histórias vazias no bolso, de não amores, negados e escassos. O corpo guardou, somatizou.

Continuar lendo “Só nos resta resistir, para bem existir”