Um jato quente nos pequenos lábios

O corpo pousado em frente ao espelho, nu. As pernas abertas com as duas mãos em seu sexo carnudo. Os dedos firmes e grossos tocavam de forma apressada os pequenos lábios. As coxas eram grossas e meio flácidas, mas isso não a impedia de tocar em seu próprio sexo enquanto se olhava de pernas abertas, nua, por completo, em frente a seu novo espelho intacto. Seu rosto trazia a expressão de dor. Continuar lendo “Um jato quente nos pequenos lábios”

Garota Bukowskiana

Querida amada, observo as chamas em capas pretas com tipografias douradas enquanto uma pequena parcela do sol cobre as sombras de minhas mãos negras após cinco minutos de chuva. Parece que há outra de mim dentro de mim mesma, pois o grande peso da barriga soma a falta de fôlego e a dormência de minhas pálpebras. Sinto que preciso me subtrair, mas nunca existe divisão o bastante para que o mundo me impeça. Continuar lendo “Garota Bukowskiana”

Com amor, Mortis

Cara amada, lágrimas rolam sem eu saber o motivo de tal existência. Me permaneço agora perdida, mergulhada em ideias sortidas e devaneios conturbados. Olho ao redor de mim; escuridão.

Toneladas aconchegam-se em meus ombros e fazem moradia, por fim, prevejo outra noite acasalando-me com minha amante: insônia!

Hoje o dia foi perdido, as horas se baniram em minha vida, envelopada numa correspondência que jamais terá um destinatário. Em mim, órgãos doem sem doer, pedindo por uma falência causada pelo enterro de algum vício mortal qualquer… Continuar lendo “Com amor, Mortis”

Menina Sofrida

Cara companheira, hoje eu te confesso que vivenciei um passado tão deprimente e solitário quanto uma tragédia fatídica e desconcertante.

Uma caixa revestida de luzes de Led. Um oxigênio maçante, uma neutralidade inexistente. Lágrimas teimavam em cair, molhar a camiseta, molhar as digitais dos dedos e embaçar as lentes de meus óculos. Assim que eu pisei naquele solo, algo em mim afundou-se tão profundamente em meu peito que até o presente momento não consegui expulsar. O relógio marca 22:17h. A cidade lá fora segue seu percurso e, aqui dentro de mim as memórias bailam acompanhadas da morte. Continuar lendo “Menina Sofrida”