PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | NÓS DUAS

Quando eu paro pra pensar na quantidade de dias empregados num relacionamento, eu fico chocada com a capacidade do ser humano de conviver com outra pessoa por anos consecutivos e ainda assim, acordar a cada manhã como se o outro fosse uma eterna novidade ao invés de alguém chato e monótono.

Continuar lendo “PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | NÓS DUAS”

Rachadura pós sexo

Há uma rachadura na parede que encaro enquanto tenho meu corpo – nu – em cima do corpo de uma mulher.

Grudadas por suor em formato de cola é possível sentir as veias que sobressaltam nosso peito – pescoço – vulva.

Meus olhos estão fixos demais na rachadura. Fixos tão firmemente que duas gotas d’água pingam por cima dos ombros dela e caem diretamente no meu lençol azul sujo como todo o resto deste quarto.

Em minha mente eu só consigo pensar no quanto eu queria trepar até que minhas entranhas saíssem pelo meu grelo Continuar lendo “Rachadura pós sexo”

O voto em branco, as lágrimas e o Vinícius

É com imenso pesar e incredulidade que escrevo este texto. Trago aqui nestas breves linhas um coração partido politicamente, porém, um tanto quanto mais resistente. Continuar lendo “O voto em branco, as lágrimas e o Vinícius”

PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | TRICK OR TREAT

Gostosuras ou travessuras?

Halloween bate a nossa porta nos cobrando doces de caramelo e balas cristalizadas. Crianças em suas fantasias fantasmagóricas. Aboboras nas janelas esboçando a temática mais aterrorizante do ano. Bruxas horríveis montadas em suas vassouras, fazendo seus feitiços, tramando bruxarias enquanto acaricia gatos pretos, transformando homens em sapos, engordando criancinhas com pirulitos e guloseimas para depois os comerem como talheres de prata.  Continuar lendo “PROJETO FOTOGRÁFICO 6 ON 6 | TRICK OR TREAT”

Maria Vitoria Francisca

Maratone-se #6

Os retratos passam pelo corpo de forma cíclica. Sorriso esboça vertigens num processo histórico que jamais poderá ser curado pelo tempo. Olhos caem num peso invisível enquanto o sol contorna o corpo feminino sagrado com tonalidades de absorção fragmentária exposta.

Corpo. Pende em moléculas frias.

A fumaça expele raízes fortes que fogem para grutas que sangram na interface da lua.

Terra. Água. Fogo. Ar. Mastigando-se entre si um projétil denominado; força.

Terra. Água. Fogo. Ar. Rasgando os ventres revestidos por paredes de flores semi aquecidas. Continuar lendo “Maratone-se #6”

Olhos de maracujá num saco

Olho, desvio.
Olho, desvio.
Olho, desvio.
Olho.

Ela sorri de forma forçada. Alguma coisa a incomoda. Talvez uma vesícula retirada, uma diarreia, um dente com canal aberto. Continuar lendo “Olhos de maracujá num saco”

Eu gosto de ser mulher

Eu. Não gosto.
Eu. Não sou.
Defina, ser mulher? Continuar lendo “Eu gosto de ser mulher”