Foda-se. Vai tomar no cu. Foda-se novamente

Eu não consigo enxergar quem eu sou ou aonde é alto suficiente para que eu bata minhas asas imaginárias.

O mundo tem fome da minha essência covarde e eu tenho sede da sabedoria que eu mesma me emponho.

Estou vivendo longe da realidade já faz um tempo. Já faz um bom tempo que boto pra fritar meu próprio coro preto nas descargas das duchas refrescadas por conversas fortes demais para serem ditas à tona. Continuar lendo “Foda-se. Vai tomar no cu. Foda-se novamente”