Carta para meu personagem favorito

Velho, Henry!

Ultimamente tenho bebido demais a ponto de sentir meu fígado desplugando por minhas pregas, não sei o que pode ser, talvez seja o cansaço pelo percurso do tempo ou talvez seja a boa e velha solidão.

Por aqui, tudo vai muito ensolarado e as pessoas costumam a suar mais e consequentemente os corpos cospem uma espécie muito rara de sal. Agora, três vezes na semana eu tenho que vestir calças que me apertam e subir uma ladeira cansativa só para estar “mais apresentável” perante um monte de homens e mulheres que possuem seus cérebros cozidos pelas mazelas da vida. Continuar lendo “Carta para meu personagem favorito”

Símbolo feminino e lágrimas salgadas

Alguma coisa faz penicar os olhos de uma garota a minha frente. Talvez um cílios desprendido, ou quem sabe um teco de poeira urbana.

A garota tinha um broche com dois símbolos femininos em sua camiseta do Che Guevara e um pequeno corte sutil em um dos braços. Observei seus trejeitos em fração de segundos e voltei para minha leitura. Vez ou outra os olhos pinicavam e as mãos iam de encontro aos olhos. Continuar lendo “Símbolo feminino e lágrimas salgadas”