NOVOS AUTORES

NOVOS AUTORES

Sou Negra Eu sou

Não sou moreninha da cor do pecado.
Não me rebaixo alisando meus cachos, não me moldo ao seu padrão esbranquiçado.
Sou Negra! Eu sou!
Carrego comigo a cor de uma nação.!
E não sou descendente de escravos.
Em minhas veias corre o sangue de reis e rainhas escravizados.
Sou Negra! Eu sou! Continuar lendo “NOVOS AUTORES”

NOVOS AUTORES

A minha cor é a ameaça

A viatura já estava quase me ultrapassando… Eu estava dirigindo meu carro devagar, tranquilo, escutando um Rap. Quatro PMs e só um me notou. Justamente o irmão da minha cor e imediatamente fui parado, abordado, revistado e questionado porque estava num carro daquele e nem é zero. O meu carro, comprado com o suor da minha labuta diária.

Nestas minhas 4 décadas de vida, aprendi a não responder quando alguém só quer um motivo, aprendi a sobreviver quando todas as estatísticas me colocam como morto: preto, pobre, morador da periferia. Mas estou aqui. Continuar lendo “NOVOS AUTORES”

A democracia brasileira e o amor ao ódio

Um branco em tom de jaleco atravessa um muro preto. Um preto em tom de sujeira pisa num chão branco. Os dois tons se unem em comunhão a troca – uns vendem pinos e papéis – uns oferecem narizes e notas altas. Há pedras rolando nas mãos infantis. Há pedras que fumam. Há pedras que matam. Vermelho combina com olhos esfumaçados – que combina com … Continuar lendo A democracia brasileira e o amor ao ódio

Vassouras pretas

O ar me falta até quase meus olhos saltarem para fora de meus buracos, sinto o cérebro sambar de forma torta dentro de uma enorme superfície, posso sentir a temperatura que as sombras possuem quando estão prestes a te arrastar para a morte. Caio então, em poços construídos pela repetição das causas. Boca seca, mãos congelantes, arrasto o dorso por debaixo de pele morta. Continuar lendo “Vassouras pretas”

Varrendo os pretos para debaixo da calçada

O sol se mescla em meio a nuvens de chuva. Caminho apática e com o útero em dores pelas calçadas que há anos meus pés tanto percorrem. A vida continua frenética e as pessoas bordam um zigue-zague de forma proporcional.

Duas motos, dois homens brancos de farda, um jovem negro. Continuar lendo “Varrendo os pretos para debaixo da calçada”

Não seja RACISTA

MULHERES

Em 2015, cerca de 385 mulheres foram assassinadas por dia. A porcentagem de homicídio de mulheres cresceu 7,5% entre 2005 e 2015, em todo o País.

As regiões de Roraima, Goiás e Mato Grosso lideram a lista de estados com maiores taxas de homicídios de mulheres. Já São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal, ostentam as menores taxas. No Maranhão, houve um aumento de 124% na taxa de feminicídios. Continuar lendo “Não seja RACISTA”