segunda-feira nada morna

Segunda-feira nada morna

Uma massa grossa de ar quente paira no ar transpingando do aglomerado de corpos. Filas e mais filas. Pessoas cabisbaixa com seus smartphones sondando algo menos desprezível para curtir no Facebook. Ao meu lado uma mulher branca, loira, na faixa dos quarenta anos, puxa em direção ao corpo sua bolsa, após eu esbarrar nela. Me olha assustada como um pardal ao despencar do ninho. Respiro uma massa quente, úmida, humana e, apenas sigo meu caminho.

Continuar lendo “Segunda-feira nada morna”

Varrendo os pretos para debaixo da calçada

O sol se mescla em meio a nuvens de chuva. Caminho apática e com o útero em dores pelas calçadas que há anos meus pés tanto percorrem. A vida continua frenética e as pessoas bordam um zigue-zague de forma proporcional.

Duas motos, dois homens brancos de farda, um jovem negro. Continuar lendo “Varrendo os pretos para debaixo da calçada”