“Não se nasce mulher. Torna-se mulher.”

Esta frase da Simone de Beauvoir ajudou-me a compreender a metamorfose pela qual passei.
Muitos irão dizer que nos tornamos mulheres a partir da primeira menstruação, mas não é exatamente assim. Pelo menos, não foi para mim!

Continuar lendo ““Não se nasce mulher. Torna-se mulher.””

Silêncio

Hoje é dia de fechar a boca
sentar de perna fechada
e somente ouvir
passar maquiagem
vestir se bem
e ficar em silêncio
diante de tantos comentários
vai se um passo e mais um
lento, distraído
na esquina chegou, acelera!
o fiu fiu não pode ser ignorado
se não você é uma metida!
o fiu fiu não pode ser respondido
se não você é uma ingrata!
só eu tenho olhos para você, diz ele
e…
você deveria agradecer, diz ele
você deveria estar feliz, diz ele
apenas eu tenho olhos para você, diz ele.

Autora: JBhering

Continuar lendo “Silêncio”

ENVELHECER

NÃO AGORA, NÃO AINDA…

Amanheci com os pés doendo. Eu sabia, já tinha lido, já tinham me contado. Era a hora deles começarem a doer. Ao tocarem o chão, as solas dos dois pés emitiram uma dor aguda, reclamando pelo frio toque do piso. Encarei os dois, firme, dedo em riste: não agora, não ainda.

Continuar lendo “ENVELHECER”

O Jantar

Pare. Falou em voz alta para si mesma. Ela queria parar, ficar interrompida, mas a respiração lhe escapava e os dedos, confusos, não sabiam como responder as mensagens que tinha recebido da outra. Não vai dar certo, e um áudio que ela ainda não tivera coragem de escutar.

Continuar lendo “O Jantar”

Porque hoje é 8 de março

I
Hoje é 8 de março, amanhã outro dia
As flores serão arrancadas e enfeitadas em buquê
Os espinhos continuarão nos perfurando
E o comércio lucrando com os clichês

Continuar lendo “Porque hoje é 8 de março”

O papel da Mulher na construção da Memória

No trajeto de uma vida, seja ele longo ou curto, nos deparamos com a construção de uma história, momentos de alegrias ou tristezas, ganhos ou perdas, porém cada segundo se eternizará. Através da História que conhecemos o passado e damos significado ao presente.

Continuar lendo “O papel da Mulher na construção da Memória”
Coletânea Literária

Você me toca

Você me toca. Você me ama. E diz que eu sou sua. Que eu te pertenço. Você me vê como um objeto? Seu brinquedo?

É por isso que você acha que pode me machucar, me ferir, me matar? Pode quebrar a sua boneca? Nós fizemos amor, e você esteve dentro de mim. Esse fato me torna então sua propriedade? Uma propriedade invadida, mutilada, roubada da sua legítima dona?

Continuar lendo “Você me toca”
Coletânea Literária

Uma mulher, negra e gorda

Nascida no fim da década de 70 num bairro de classe média de Brasília, descendência de pais negros, Gabriela veio ao mundo sem saber direito o que a esperava.

Continuar lendo “Uma mulher, negra e gorda”
Coletânea Literária

Cabe a mim resistir

Eu, mulher preta desde nascença,
carrego comigo impressões do tempo em meu rosto.
Carrego também em minha alma as marcas das minhas ancestrais que sofreram no tronco,
que sofreram nas mãos dos senhores estupradores a quem eram obrigadas a servir as mesas
e também as suas camas.

Continuar lendo “Cabe a mim resistir”
Coletânea Literária

apesar de tudo, não haverá silêncio

quis me calar
depois de ter pedido
a tantas mulheres
que nunca se calem

Continuar lendo “apesar de tudo, não haverá silêncio”